O que são e como funcionam as plataformas low-code

O que são e como funcionam as plataformas low-code

Um dos maiores desafios do departamento de TI moderno é como fazer com que todas as áreas do negócio trabalhem de forma coesa com eles. A maioria das empresas luta com comunicação, acordos e táticas quando se trata de projetar, proteger e implementar novas tecnologias.

Os atrasos de software podem se acumular rapidamente e a frustração pode crescer. No entanto, novas tecnologias, chamadas de plataformas low-code, estão tentando mudar isso.

Em todas essas plataformas, desenvolvedores e profissionais de negócios podem começar a falar a mesma linguagem — uma que não leva anos para aprender.

O que é o low-code?

O low-code é uma maneira de projetar e desenvolver aplicativos de software rapidamente e com um mínimo de codificação manual. Ele permite que pessoas qualificadas forneçam valor ao desenvolvimento de forma mais rápida e confiável.

O low-code é análogo à fabricação de carros em alguns aspectos: a maior parte do que já foi feito manualmente é agora automatizada. As máquinas envolvidas na automação não decidem como é o carro, mas aceleram o processo de montagem e entrega.

Ele está para o desenvolvimento de software como as linhas de montagem estão para a indústria automobilística: automatizam tarefas manuais que são difíceis e demoradas para liberar as pessoas para fazer coisas que são muito mais importantes.

Como o low-code funciona?

No mundo do software, confiamos em bibliotecas, APIs e infraestrutura de terceiros para nos concentrarmos em fornecer o pouco de valor exclusivo que não existiria de outra forma. Mas ainda nos atolamos.

O low-code descreve uma família de ferramentas que ajuda os desenvolvedores a criar aplicativos completos visualmente usando uma interface de arrastar e soltar.

Em vez de escrever milhares de linhas de código e sintaxe complexos, as plataformas de low-code permitem que os usuários criem aplicativos completos com interfaces de usuário modernas, integrações, dados e lógica de maneira rápida e visual.

Veja como é uma plataforma típica de desenvolvimento low-code:

  • Um IDE visual: um ambiente integral de desenvolvimento (do inglês, Integrated Development Environment) para definir visualmente a interface do usuário, fluxos de trabalho e modelos de dados de seu aplicativo e, quando necessário, adicionar código escrito à mão;
  • Conectores para vários back-ends ou serviços: manipula automaticamente estruturas de dados, armazenamento e recuperação.
  • Gerente de ciclo de vida de aplicativos: ferramentas automatizadas para criar, depurar, implantar e manter o aplicativo em teste, preparação e produção.

Como é trabalhar com low-code?

Fundamentalmente, construir software com low-code é o mesmo que construir software de outra maneira. A menos que você esteja escrevendo tudo do zero no código da máquina e, não, a linguagem de montagem não conta, você já está usando atalhos criados no trabalho de outras pessoas.

O low-code tem a ver com as coisas que você não precisa fazer. Em vez de codificar manualmente outro sistema de gerenciamento de usuários, lidar com as características da estrutura de programação mais recente ou escrever dez testes antes de uma única linha do código do aplicativo, você começa a criar algo novo e valioso.

Por que começar de novo quando esses problemas já foram resolvidos e os padrões são bem compreendidos?

Vamos comparar a criação de um aplicativo usando uma estrutura da Web comum para criá-lo usando código baixo.

O processo tradicional de desenvolvimento de aplicativos passa pelas mesmas etapas:

  1. Descobrir os requisitos.
  2. Planejar a arquitetura.
  3. Selecionar uma estrutura de back-end, algumas bibliotecas, armazenamentos de dados e quaisquer APIs de terceiros;
  4. Selecionar uma estrutura de front-end e esperar que ela não seja preterida antes de terminar o desenvolvimento;
  5. Escolher sua pilha de implantação e criar um plano de operações;
  6. Criar wireframes e protótipos;
  7. Codificar manualmente a interface do usuário na estrutura JavaScript escolhida;
  8. Escrever testes;
  9. Definir seus modelos e conectá-los aos armazenamentos de dados;
  10. Definir e codificar sua lógica de negócios;
  11. Criar exibições que fornecerão e receberão os dados JSON necessários para ou do front-end;
  12. Implementar seus fluxos de trabalho e interface do usuário em sua estrutura de frontend;
  13. Integrar APIs de terceiros usando sua interface publicada ou, se você tiver sorte, uma biblioteca compatível no idioma escolhido.
  14. Repetir até os testes passarem;
  15. Testar segurança, desempenho, qualidade e aceitação do usuário.
  16. Implantar, corrigir, monitorar, atualizar até o final da vida útil do aplicativo.

O processo de desenvolvimento com low-code seria mais parecido com isto:

  1. Determinar os requisitos;
  2. Selecionar qualquer API de terceiros;
  3. Desenhar os fluxos de trabalho, os modelos de dados e as interfaces de usuário do aplicativo no IDE visual;
  4. Conectar suas APIs, geralmente com a descoberta automática de recursos.
  5. Se necessário, adicionar qualquer código de mão ao front-end ou para personalizar as consultas SQL geradas automaticamente;
  6. Testar para aceitação do usuário.
  7. Implantar na produção e, em seguida, enviar atualizações com um único clique.

Sete passos em vez de dezesseis.

O low-code entende que a maior parte do tempo gasto com a escrita manual de códigos em aplicativos da Web e móveis é praticamente rotativa. Não há necessidade de trilhar o mesmo caminho toda vez que iniciarmos um novo projeto.

Ele nos permite criar aplicativos visualmente usando fundamentos já testados com o foco em entregar algo valioso para o mundo.

Gostou de aprender sobre as plataformas low-code? O que achou do novo modelo de desenvolvimento? Comente abaixo e compartilhe suas visões conosco!

Related Posts---

Leave A Reply---

Back to top